10 sinais de que a sua vida está a pedir uma mudança

9 sinais que a sua vida está a pedir uma mudança

Será que a minha vida necessita de uma mudança?

Talvez você não tenha a noção de que precisa fazer alguma mudança na sua vida, pois talvez ache que é normal a sua vida ser assim. Se calhar é isso que os seus familiares e amigos lhe dizem ou é isso que vê à sua volta… Mas a sua vida é única e incomparável. Você pode ser mais feliz se, ao invés de fazer comparações na sua vida, você estiver disposto a fazer mudanças.

Pare um pouco para refletir sobre estes 10 sinais e perceba se existe algum indício de que a sua vida está a pedir uma mudança urgente.

Antes de mais, é importante explicar que tudo o que nos acontece, bem como tudo o que fazemos, pensamos e dizemos, repercute-se no nosso corpo, na nossa mente e nas nossas atitudes e, se prestarmos atenção, percebemos que estes sempre nos dão sinais que podem indicar o estado em que nos encontramos, física e psicologicamente. Isto quer dizer que sempre que existe algo dissonante da nossa essência, o corpo, a mente ou as nossas atitudes revelam indícios de que a situação não nos é favorável e que precisa ser mudada.

Estes são os 10 sinais mais comuns que anunciam uma necessidade de mudança:

1) As coisas que o empolgavam perderam o encanto

Existe alguma coisa que, quando fazia antigamente, sempre o deixava feliz e, de uma hora para a outra, deixou de lhe dar prazer? Tem-se sentido pouco motivado a fazer as coisas que você costumava gostar de fazer?

Se você não tem mais motivação para fazer aquilo que gostava, como praticar os seus hobbies ou reunir-se com os seus amigos , isso pode ser um sinal de que alguma coisa está a começar a afectar até aquilo que você considerava bom e satisfatório. Procure perceber o que mudou na sua vida que não deveria ter mudado. Pode ter sido derivado de uma ação, decisão, opinião, crítica… Por vezes promovemos ou permitimos que certas mudanças ocorram em nossas vidas que, na realidade, não nos fazem bem. Todos nós erramos e isso faz parte da nossa evolução e aprendizagem, mas é importante percebermos no que é que errámos e reconhecermos que errámos, pois é a única forma de conseguirmos corrigir ou eliminar o que não nos está a fazer bem. Se você se identifica com este cenário, saiba que algo não está a correr bem e você precisa descobrir o que é, antes que o problema domine todas as áreas da sua vida e se torne crónico.

2) Você tem dores de cabeça, ansiedade ou insônias com frequência

A meio do dia ou no final do dia você começa a sentir ansiedade ou dor de cabeça, com alguma frequência? Tem dificuldade para adormecer e sente que não consegue descansar durante o sono ou acorda muitas vezes durante a noite?

Em primeiro lugar, consulte um médico para verificar se não existirá alguma doença na origem desses sintomas. Na maioria das vezes trata-se de stress, isto é, o corpo e a mente encontram-se sobrecarregados ou existem hábitos inadequados na sua vida, o que indica que realmente há algo que precisa ser mudado urgentemente, nem que seja apenas a forma como você encara a vida. O stress representa, muitas vezes, um excesso de preocupação e de auto-exigência. Para se livrar deste problema, de forma natural e definitiva, você só tem uma opção: procurar o que está a causar esses sintomas e mudar o que tem que ser mudado, quer internamente ou externamente, seja mudar de emprego, de país, de atitude… No entanto, nem sempre é necessária uma mudança radical. Por vezes basta aprender a aceitar a situação atual, sem culpa ou frustração, e perceber que tudo o que você está a viver tem uma razão de ser, tem algo para ensinar e que tudo o que lhe estiver reservado, para a sua vida, acontecerá na altura certa. Basta não desistir dos seus sonhos, não insistir naquilo que não lhe está a fazer bem e estar atento aos sinais que a vida lhe dá.

3) O seu círculo de amigos é cada vez mais reduzido

Sempre a desculpar-se de falta de tempo para estar com os familiares e amigos que, por sinal, vão fazendo cada vez menos parte da sua vida?

É normal que, conforme o tempo passa e as obrigações surgem, tenhamos menos tempo para estar com todas as pessoas que conhecemos e o número de amizades tenda a diminuir. Porém, se você percebe que se tem vindo a afastar, cada vez mais, das pessoas que gosta e não consegue encontrar nem alguns poucos momentos para estar com elas, precisa verificar, o quanto antes, o que está a ocupar tanto o seu tempo ou a destituir as suas fontes de prazer social. Uma desculpa pode ter, realmente, um fundamento verdadeiro mas, por vezes, não passa de uma desculpa que esconde um motivo ainda obscurecido na sua mente. É importante procurar identificar qual é o verdadeiro motivo por detrás da sua desculpa e analisar se isso é, realmente, mais importante para a sua felicidade do que estar com quem você gosta. Não se deixe dominar pela desculpa das circunstâncias da vida e tome uma decisão lúcida.

4) Tem verificado um aumento de peso fora do normal

A sua balança anda-se a queixar ultimamente? Tem sentido estranhas vontades de comer guloseimas? Ou simplesmente sente necessidade de comer para se sentir emocionalmente melhor?

Se este é um cenário que lhe parece familiar, permita-me informá-lo que, a maior parte das vezes, este é um sinal de que as suas emoções estão a afectar a sua vida, de uma forma bem visível! Regra geral é sinónimo de emoções negativas reprimidas como raiva, medo, frustração… São emoções que, provavelmente, você está a guardar dentro de si próprio e que se vão tornando numa espécie de bola de neve, à qual ainda vão acrescendo os pontuais sentimentos de culpa que povoam a sua mente no momento que ataca o frigorífico ou derruba a caixa de bolachas. O que acontece é que o acto de comer transforma-se numa compensação emocional, e isto porque os açúcares, bem como os amidos, têm um poderoso efeito sobre a segregação de seratonina, responsável pelo controle das nossas emoções e apetite. Nestas situações é importante entender que ter problemas é normal e é comum a todos os seres humanos, que os obstáculos e aborrecimentos podem aparecer a qualquer momento, que irá sempre existir alguém que o irrita ou magoa… Mas perceba que aquilo que você deverá fazer não é negar esses sentimentos, mas antes aceitá-los, compreendê-los e reagir de uma forma que beneficie o seu equilíbrio emocional e a sua vida. Ao mudar a sua atitude em relação às situações que o perturbam fará com que as emoções negativas correspondentes deixem de existir ou simplesmente não o incomodem mais nem sejam pretexto de ataque aos chocolates 😉

5) A felicidade dos bons momentos não dura muito

Você sente que os bons momentos que usufrui na sua vida já não lhe transmitem uma sensação de felicidade duradoura?

Se lhe acontece sentir-se bem e feliz quando sai com os amigos para se divertir, ou quando passa o dia num lugar favorito ou quando faz alguma atividade que gosta muito, mas logo que esses momentos terminam, a sensação boa desaparece e a sua mente volta a focar-se nos seus problemas ou você volta a sentir-se desanimado, saiba que esses bons momentos estão antes a funcionar como um escape à sua realidade. A felicidade gerada pelas boas experiências é a que costuma permanecer por mais tempo nas nossas vidas, portanto, se você não está a conseguir conservá-la nem sobrepô-la às realidades dissonantes da sua vida, é porque deve existir algo errado em alguma área da sua vida que está a impedir que a sensação de felicidade perdure e prevaleça. É importante perceber o que é que na sua vida o está a fazer infeliz ou a deixar desanimado e procurar fazer as mudanças necessárias que lhe restituam a alegria e felicidade que lhe pertencem.

6) A sua autoestima está em baixo

Não tem mais vontade de se arranjar para sair? Não gosta do que vê quando olha no espelho? Não sente orgulho nas coisas que faz? Sente-se inseguro ou diminuído em determinadas situações?

Se se identifica com algum destes cenários, provavelmente algo na sua vida precisa ser mudado, e nem sempre a baixa auto-estima é sinónimo de problemas com a aparência física. Olhe-se e sinta-se com atenção. Tente perceber se se trata, realmente, de um déficit de auto-apreciação, mas observe também como as pessoas com quem você convive o tratam, se você está a ser, efectivamente, valorizado e apreciado como pessoa, como amigo, como familiar, como profissional… Por vezes sentimo-nos diminuídos porque não acreditamos em nós próprios e não nos valorizamos mas, outras vezes, isso acontece porque não nos sentimos apreciados ou porque alguém, propositadamente ou não, nos incute esse sentimento. É importante identificar o foco da sua baixa auto-estima, pois a solução do problema pode estar em mudar apenas alguma destas condições.

7) Não se consegue desenvencilhar do peso da rotina

Por mais que tenha vontade de fazer outras coisas, além das obrigações do dia-a-dia, você sente-se sempre demasiado cansada ou sem ânimo para sair com os amigos ou para se matricular naquelas aulas que tanto gostaria?

Se isto ocorre na sua vida é porque, provavelmente, existe algo que está a consumir toda a sua energia e a afectar a sua vontade de viver e de ser feliz. Este é um sinal de que está na hora de parar para definir prioridades na sua vida e descobrir uma maneira de encontrar o equilíbrio entre o prazer e as obrigações. O nosso bem-estar depende, em grande parte, do equilíbrio que conseguimos estabelecer entre as atividades que temos que realizar para a nossa subsistência e as atividades que fazemos porque nos fazem bem à alma, nos dão prazer e nos fazem usufruir daqueles momentos mágicos de simples felicidade. Dê um pouco de cor à sua vida e arranje uma forma de se divertir.

8) Você vive insatisfeito ou desanimado

Você sente-se insatisfeito ou desanimado a maior parte do tempo? A toda a hora você sente que queria estar a fazer outra coisa, e quando finalmente se encontra a fazer outra atividade, continua a sentir-se desanimado?

Se você sente que em casa, no trabalho, na escola, quando está com o companheiro/a ou com os amigos, nada o entusiasma, então é provável que o problema esteja apenas na sua mente que se recusa a ver o lado bom das coisas ou que vive resignada a não fazer nada para alterar a situação, porque se acostumou a acreditar que não vale a pena esforçar-se, nem mesmo para a sua própria felicidade. Se é esse o seu caso a solução está em ganhar coragem e “partir” para novas conquistas, em esforçar-se por conseguir aquilo que o fará feliz. Mas saiba que, muitas vezes, aquilo que realmente necessitamos para sermos felizes já existe nas nossas vidas ou está bem à nossa volta, mas acontece que não as conseguimos reconhecer porque vivemos demasiado em função de um futuro sonhado, aquele que julgamos que nos fará verdadeiramente felizes e, por isso, não conseguimos apreciar o presente, nem os “presentes” do nosso dia-a-dia.

9) As suas decisões raramente são realmente suas

As decisões que tem tomado na vida não o fazem feliz? A sua vida é um reflexo do que os seus pais queriam para si? Ou sente que vive em função do que os outros acham certo ou errado?

Se você se apercebe que a maior parte das decisões importantes que você tomou ou toma, na sua vida, são reflexo de opiniões, imposições ou instigações de familiares ou amigos, isso significa que você não dá o devido valor à sua vontade própria, aos seus sonhos de vida nem à intuição que seria suposto guiá-lo no caminho da sua felicidade. Preste atenção ao que você realmente quer e tente perceber de que forma as pessoas o influenciam a fazer algo diferente do que vai na sua cabeça. Independentemente da boa intenção dos outros e do caminho que nos apresentem como mais seguro ou menos difícil, o verdadeiro caminho que deveremos escolher é aquele no qual acreditamos com toda a nossa “força”, aquele que sentimos, na nossa essência, que é o certo. Abrace as suas paixões, os seus talentos e as suas ambições e não deixe que ninguém lhe diga o que é melhor para si. Abrace também esta mudança na sua vida. Você tem que viver a sua vida à sua maneira se quiser ser feliz. Lembre-se que a vida que você cria, ao fazer algo que realmente gosta, é muito mais gratificante do que a vida que você obtém sentado a desejar um dia criá-la. “Desenhe” a sua vida e experimente-a!

10) Olha para o relógio a cada 5 minutos

Anda sempre ansioso que chegue a hora de ir embora do trabalho ou da aula?

É normal que, de vez em quando, queiramos que o tempo passe rápido porque temos algo que consideramos mais importante para fazer. O problema começa quando, na maior parte do tempo, tudo o que você quer é que o tempo passe rápido, mesmo que não tenha nenhum compromisso e não vá fazer nada de diferente quando sair de onde anseia sair. Isso significa que o seu dia-a-dia já não é suficientemente interessante para si, que aquilo que faz diariamente já não o motiva e que, do qual, não retira nenhum prazer, o que leva a crer que uma mudança urgente é necessária para que sua vida não passe em vão. Se puder, procure mudar o que, diariamente, não lhe dá prazer nem o motiva. Decida-se fazer algo que verdadeiramente o entusiasme. Se não puder, não souber ou não conseguir mudar, trace um plano estratégico a médio prazo, delineando todos os passos que necessita para mudar, definitivamente, a sua situação e ponha-o em prática já amanhã. Verá que assim que começar a trilhar o seu plano, uma nova motivação e entusiasmo irão enriquecer o seu dia-a-dia.

Se você respondeu afirmativamente a alguma das perguntas acima, existe uma grande probabilidade de este ser o momento certo para promover uma mudança significativa na sua vida.Deixe de alimentar as coisas que não o fazem feliz.

Tenha força para mudar e acredite que é para o seu próprio bem.

Escrito e publicado por EsotericLink
Fontes bibliográficas:
www.desassossegada.com.br by Stephanie Gomes
www.marcandangel.com by Marc Chernoff
www.everydayhealth.com by Sally Shannon

You may also like...

2 Responses

  1. maroya diz:

    São muito boas as informações que aqui encontrei.

    • tmrl74 diz:

      Posso dizer-lhe que, à medida que fui escrevendo este artigo, eu fui detetando alguns sinais na minha próspria vida!
      Acima de tudo, ficamos felizes por ajudar, esclarecer ou dar a conhecer novos “mundos” e renovadas visões. Tudo o que escrevemos e publicamos contribui também para o nosso próprio auto-conhecimento e crescimento.
      Obrigada pelo seu comentário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *